Câmara Municipal de Lisboa:
Pesquisar neste site: 
Estatuária e Escultura - Adamastor
Aos Restauradores de 1640 
Aos restauradores de 1640 
Aos Restauradores de 1640  ( 1875  - 1886 ) Praça dos Restauradores 
Temáticas:

Em Agosto de 1861, com o objectivo de determinar a forma como devia ser festejado o aniversário da «Revolução que tinha libertado a nação portuguesa do jugo espanhol», foi criada a Comissão Central 1.º de Dezembro de 1640. Integrando figuras destacadas da época como Alexandre Herculano e Anselmo Braancamp Freire, decidiu-se levantar «um grandioso marco de pedra e bronze, para attestar à posteridade, os arrojados feitos d’aquelles, que se estremaram em 1640, libertando-nos», tendo sido escolhido para o projectar o arquitecto António Thomaz da Fonseca. Em Outubro de 1875 foi determinado, em sessão camarária, que ficaria localizada no princípio da alameda do Passeio Público. Marcando o início da futura Avenida da Liberdade, na actual Praça dos Restauradores, que ditou o final de um jardim ao gosto romântico, abrindo a expansão da cidade para Norte.

É constituído por um obelisco, sobre um ático quadrangular, tendo a Norte, as armas de Lisboa e a Sul, o escudo nacional. Assenta sobre um pedestal ornamentado por duas figuras aladas em bronze: uma feminina do escultor Simões de Almeida, voltada para Norte, representando a Vitória que ergue com a mão direita uma coroa de louros, segurando na esquerda uma palma e tendo depostos a seus pés paramentos militares; a outra masculina, da autoria de Alberto Nunes, a Sul, representando o Génio da Independência que levanta, com a mão direita, uma corrente quebrada. Nas outras duas faces encontram-se troféus de armas. As datas mais significativas da Restauração da independência nacional foram inscritas nas quatro faces do pedestal.

Alguns críticos defensores do antigo boulevard romântico apelidaram-no de «falo pelintra e patriótico erguido à memória das tísicas ideias do defunto Passeio Público». Eça de Queiroz, que também não ficou indiferente a esta polémica, referiu-se a ele, em “Os Maias”: «um obelisco com borrões de bronze no pedestal ergue um traço de cor de açúcar na vibração fria da luz de Inverno».

Laura Trindade

Acessos:
Carris: 36, 44, 49, 54, 91, 205, 207, 702, 709, 711, 714, 732, 745, 759, 790
Metro: Linha Verde - Estação do Rossio, Linha Azul - Estação Restauradores
CP: Linha de Sintra
© 2008 Câmara Municipal de Lisboa
União Europeia - FEDER
POS_Conhecimento
Câmara Municipal de Lisboa