Câmara Municipal de Lisboa:
Pesquisar neste site: 
Início
Glossário
Para vizualizar a explicação faça clique sobre o termo que pretende consultar.
A |B |C |D |E |F |G |H |I |J |K |L |M |N |O |P |Q |R |S |T |U |V |W |X |Y |Z 
Técnica, designada também por decoração ao terceiro fogo, que consiste na aplicação por meio de pistola ou aerógrafo, do jacto pulverizado das tintas, sobre o vidrado.
Termo que designa uma composição que se assemelha à forma humana
Técnica decorativa hispano-mourisca dos finais do século XV, em que o desenho era gravado no barro cru, por meio de um molde que deixava salientes relevos ou arestas que evitavam a mistura das cores.
Técnica decorativa hispano-mourisca dos finais do século XV, em que o desenho era gravado no barro cru, por meio de um molde que deixava salientes relevos ou arestas que evitavam a mistura das cores.
Critério de carácter complementar aplicável aos bens que tenham mantido, ao longo do tempo, valores originais, ou cujos restauros, campanhas de conservação ou de eventual conclusão, tenham correspondido a documentação detalhada, e não tenham escamoteado ou não se tenham sobreposto à edificação, função ou enquadramento originários
Azulejo produzido em série, em que a chacota e a pintura se realizam através de processos mecânicos.
Azulejo de padrão em que as tintas eram aplicadas por meio de trincha sobre uma estampilha. Característico da produção da segunda metade do século XIX, foi muito utilizado na decoração de fachadas de prédios,
Placa de barro cozido no forno uma só vez e sem vidrado. Também designada por biscoito.
   
© 2008 Câmara Municipal de Lisboa
União Europeia - FEDER
POS_Conhecimento
Câmara Municipal de Lisboa